Séries (d)e Televisão

pesquisar

 
Domingo, 24 / 02 / 08

Norte & Sul



Grande momento de nostalgia, rever esta série que, em Portugal, passou na RTP em finais da década de 80. Foi reprisada no canal RTP Memória em 2005.

Lembro que ficava agarrada à série assim que explodia a melodia. Brummmmm Tãaaa, nãaaa, ta, na, naaaa, ta, na, na, na, naaaaa… Pois é!

A história é bonita, as interpretações e os cenários deslumbrantes. E a música! Oh! Que maravilha! Retrata a guerra civil Americana que começa em 1861 (faz tão pouco tempo, não é mesmo?) e termina em 1865. A América ainda repousava a sua economia na mão-de-obra escrava, embora o Norte do país tivesse se afastado dessa dependência e se industrializado. Existiam 34 Estados, sendo que em 19 a escravatura estava abolida mas em 15 Estados do Sul era permitida. Em 1861 antes que Abrahan Lincoln, um anti-esclavagista assumisse a presidência, 11 dos 15 Estados do Sul separaram-se da nação para criar um novo País: os ESTADOS CONFEDERADOS DA AMÉRICA.

Era a guerra. Os americanos viraram-se uns contra os outros, amigos contra amigos, irmãos contra irmãos, numa luta até à morte. Até os dias de hoje esta divisão se faz sentir.

Da série retenho lições que mais tarde aprendi. Sobre a escravatura sabe-se aquilo que nos conta a ficção. Em pequenos somos informados que a escravatura existiu mas que terminou, porque os homens reconheceram que somos todos iguais. Pois sim! As razões para o fim da escravatura na maioria dos casos foi, como é sempre, mais económica do que moralmente correcta. E como tudo na vida, nada é só preto e branco. A maioria está no cinzento. Alguns escravos não se importavam com a sua condição, embora a liberdade fosse sempre desejada. Muitos eram alforriados e trabalhavam na condição de pessoas livres. Livres para abandonar o seu posto de trabalho se quisessem. Alguns senhores fizeram amizade com estes serviçais. Alguns ex-escravos compravam os seus próprios escravos e muitos que ficaram livres, ficaram sem ter o que fazer e como viver. A escravatura sempre existiu, ainda existe e não é exclusiva nem nunca foi a uma etnia nem mesmo praticada apenas entre etnias diferentes. Esta é a área cinzenta. Depois temos o branco e o preto. Que é o que a ficção costuma nos mostrar: os senhores cruéis (como Juntin) que torturam e matam sem piedade, os escravos que são bondosos uns com os outros e só querem a felicidade que vem sempre com a liberdade (Priam).

Uma cena ficou retida na memória ao rever a série: Orry vai visitar o seu amigo George e aproveita para conhecer a fundição de ferro. Os dois caminham pela fábrica, quando Orry pára estarrecido e pergunta a George quem são aquelas pessoas – referindo-se a uma mulher vestida em trapos mais as suas crianças, a viver num casebre no meio de animais, todos em maltrapilhos. George responde que aquelas são as acomodações dos empregados. Orry fica em choque. Aquelas não são melhores condições de vida, mas piores, que as dos seus escravos. “Mas são livres para ir embora” – responde George. “Ai sim?”- diz Orry.

Orry referia-se, é claro, ao facto daquelas pessoas terem de ficar ali, naquelas condições deploráveis, por ali ao menos terem o que comer. Matavam-se a trabalhar, morriam se ficassem doentes, e andavam sempre na miséria a viver na imundice. Irem embora, claro que podem. Mas estariam a condenar-se também à miséria. Isto não é uma prisão?

Esta é a actual forma de escravatura que temos hoje em dia. A exploração. A liberdade é um bem precioso, sem dúvida. Mas é relativa. Continua a ser mais para uns e muito menos para outros.




TRIVIAL:

Kirstie Alley e Parker Stevenson (Virgilia e Billy Hazard 2) conheceram-se nesta série e foram casados por muitos anos.
Lesley Anne Down e Don Fautleroy (Madeleine e um assistente de câmera da série) conheceram-se e casaram-se.
James Read e Wendy Kilbourne (George e Constance) que fizeram o par romântico na ficção apaixonaram-se de verdade, durante um ensaio para uma cena de dança. Casaram em 1988.
Genie Francis e Jonathan Frakes (Brett e Stanley) também se apaixonaram na série, casaram em 1987 e tiveram filhos.
Patrick Swayze levou James Read para o seu rancho para que este aprendesse a andar a cavalo.




Questões para pensar e responder:
1- Acham que por detrás dos personagens, Madeleine e Orry estavam realmente em sintonia?

2- Vejo na loura Brett um olhar mais malévolo que no da morena Ashton. Quem acha que se devia acabar com o estereótipo de “loura de olhos azuis meiga” “morena de olhos castanhos maldosa” e é pena as actrizes não terem trocado de papéis?




English Version:
What a wonderful tv-series! It hook me by the start, with that drum, flute and violin melody. Brummmmm Tãaaa, nãaaa, ta, na, naaaa, ta, na, na, na, naaaaa…

It’s a nice story, made with great costumes and scenery attention, about the 1861 American civil war.

Two friends, one from the North other from the South, meet in a train, on their way to the West Point Academmy. There they make their worse enemy for life: Elkanah Bent. The nation is being shacked by two opposites ideals: the end of slavery and the maintaining of it. Some say slavery should finish because emigrant handwork is cheaper and industrialization in the way to the future. Others say this is nonsense and the nation economy would collapse without it. Unfortunately, this division of opinion is also regional: the North defends industrialization, the South, slavery. A division that still has their consequences to this day.




Abrahan Lincoln is going to became the president of the USA and wants the end of slavery (it is reported he too descended from slavery people, witch is probably true, it happened a lot). General Lee and others do not. American is about to enter a 4th years war, with several human casualties. Brother killing brother, friend killing friend, families being devastated, hunger and misery for almost all.

A scene stayed with me when I re watched this tv show. Orry is visiting is friend George in the Iron Factory when he stops walking, looks shocked and asks who were this people – referring to a woman in rags and some small children, living with animals in a very old and dirty shag. George says they are the workers. Orry is shocked by their living conditions and says it’s worse than slavery conditions. George answers: but they are free. Are they?- questions Orry.

This stayed with me because it’s so true. To this day, this is another type of “legalised” slavery. People are free but if they don’t submit to some deplorable living and working conditions, they die of starvation, because exploration work is what is available. So, where those people, emigrant ones, really free? Or where they living another type of prison, with a few money change and liberty but not better opportunities?




TRIVIA:
Kirstie Alley and Parker Stevenson (Virgilia e Billy Hazard 2) met in this tv show and stayed married for many years.
Lesley Anne Down and Don Fautleroy (Madeleine and a North and South assistant camera man) met and got married.
James Read and Wendy Kilbourne (George e Constance) who made a romantic pair on the series, felt in love during a dance rehearsal scene. They got married en 1988.
Genie Francis and Jonathan Frakes (Brett e Stanley) also felt in love in this series. They got married in 1987 and got children.
Patrick Swayze took James Read to his ranch for him to learn how to ride a horse.




Unanswered questions:
1- Do you think that, behind their characters, Madeleine and Orry were really on sync?

2- I see a malicious look in the blond blue eyes Brett. Do you think the actress should have play instead the sister Ashton? Let’s put an end to the blond blue eyes-angelical woman versus the brunet, brown eyes evil sister stereotype!

publicado por TV Mania às 20:57
Sexta-feira, 11 / 01 / 08

WINGS - Asas em Família


Em Portugal passou no RTP1 em 1995, num horário muito peculiar: nas primeiras horas da manhã! Asas em Família, nome português para a série Wings foi criada em 1990 e durou até 1997. Muitos vêm-na como “uma espécie de Cheers –Aquele Bar”, já que foi criada pelos mesmos autores. A série contou com a participação especial de algumas personagens dessa sitcom. Embora lembre no estilo cómico o universo de Cheers, Asas em Família consegue inovar-se.

Personagens:

Temos o gordinho e bigodudo Roy, dono de uma companhia aérea, cuja postura faz lembrar Norm. Joe é o irmão certinho. Gosta de ter as coisas sempre arrumadas. Brian, irmão de Joe, é o oposto. Leva a vida sem pensar nas consequências e quer divertir-se. Os dois separam-se quando Brian fica com a noiva de Joe. No entanto, a relação não dura e Brian regressa à ilha das Caraíbas onde o irmão tem o seu negócio de transportes de aviação. Mas isto é dizer pouco sobre as personagens. Há muitas mais, e mesmo as já mencionadas têm mais profundidade. Esta série foi posteriormente mencionada em outras séries, como os Simpsons, os Sopranos, O príncipe de Bell Air, Scrubs e Monk, série interpretada por Tony Shalhoub que em Wings faz o papel de taxista a partir da 3ª série.

Desapareceu rapidamente dos ecrãs portugueses, certamente devido ao discreto horário de exibição. Porém, para quem quiser recordar ou ficar a conhecer, eis um episódio. Foi recuperado de uma cassete danificada, cuja imagem e som desapareciam a cada 2 segundos. Deu trabalho mas para os que quiserem ver ou rever, eis um episódio de Wings em que entra Frasier Crane.
.




English Version:
It went on air in Portugal in the most peculiar schedule: Monday to Friday early mornings! This was in 1995, although the series dates from 1990 and lasted seven seasons. Many see it as a kind of “Cheers” as it was created by the same authors. Although Wings do remind us something of the Cheers universe, it’s a show by its own.
.
Many characters from Cheers made a personal appearance on Wings. For example, dr. Frasier Crane and his wife. You can see this full episode in the given link.
publicado por TV Mania às 22:52
Domingo, 06 / 01 / 08

...


Mou fum kom tiu siu en si, hei cui tom siu a pa teng si, si yu fei kom joi yo sam mou si sam hing ieng yi...

Não faça a menor ideia do que acabei de escrever! Só sei que em 1986/87 estava a cantar esta melodia sempre que ia para o ar um novo episódio da série “Os Jovens Heróis de Shaolin”.

A história centra-se no relato da vida de três jovens famosos heróis que são um mito que remonta à Dinastia Ching. A série acompanha os duros treinos de Kung-Fu no templo e foca a exigência da cerimónia de passagem, na qual o iniciado se transforma realmente em mestre. Estes três jovens estabelecem amizade com um estranho rapaz que anda sempre com um pagem e enfrentam poderosos inimigos, possuidores de conhecimentos ocultos que utilizam para alcançar os seus objectivos. Eles procuram restaurar a Dinastia Ming, que saiu do poder há 17 séculos e da qual descendem.

Jovens Heróis de Shaolin, ou no original "Ying hung chut siu nin" é uma série de 1981 que atingiu grande sucesso nos países em que foi exibida, pela junção que faz entre o humor e artes marciais, a fantasia e a magia.





English Version:
I’ve no idea what I’ve just wrote! I only know that, by the year of 1986/87 everytime an episode of Young Heroes of Shaolin was aired I was singing this melody.

The show´s plot focus on the life of three young heroes, three myths from the long gone Ching Dynasty. It shows the demanding Kung-Fu trainings at the temple and the importance of the passage ceremony, where apprenticees turn in to masters. These three youngsters establish a friendship with a strange man that always travels with a pagem and have to face dangerous enemies that use magic to destroy them. There goal is to restore the Ming Dynasty, witch has been out of power for 17 centuries and from witch they are descendents.

Young Heroes of Shaolin, or in its original "Ying hung chut siu nin", it’s a tv show from 1981 that achieved great success in every country it was shown, mainly due to the humour mixed with martial arts, fantasy and magic.
publicado por TV Mania às 22:35
Domingo, 06 / 01 / 08

DHARMA & GREG


Estreou em Portugal a 4 de Novembro de 1998 e pode revê-la agora, desde o primeiro episódio, novamente na SIC Mulher.

Ver os primeiros episódios desta série é voltar ao riso leve e inteligente. O espectador fica a conhecer todas as personagens e suas características logo no primeiro capítulo.

No centro está Dharma, uma rapariga hippie para os dias de hoje. Os pais dela também são uma raridade sobrevivente da época das flores, paz e amor. Depois temos Greg, um advogado, filho de Kitty e Edward, ambos a viver na alta sociedade. É então que Dharma vê Greg. O casal sente uma atracção imediata e casa nesse mesmo dia, separando-se logo depois. Mas Dharma e Greg têm algo de verdadeiro e a relação deles sobrevive ás estranhas e completamente opostas situações que se vão gerando devido às suas origens e estilos diferentes.

Dharma & Greg sobreviveu durante cinco épocas. “Veio ao mundo” em 1997 no canal a americano ABC e terminou em 2002. Pelo meio teve um período mais sombrio, em que parecia que as personagens estavam a sofrer uma transferência de personalidade. Greg começa a fazer disparates, a ter ideias malucas e chega, inclusive, a virar vagabundo e a sair de casa. Mas no geral, esta série é deliciosa como um rebuçado.

Se você tivesse de escolher um personagem preferido, qual escolhia? O doido e amnésico Larry? A transcendental Abby? O pré-reformado Edward? A socialite Kitty? O amigo Pete? A amiga Jane? A Dharma ou o Greg?

A minha favorita é Kitty!




English Version:
It premiere in Portugal on 4 of November 1998 and you can see it now on SIC Mulher channel.

To see the firsts episodes of Dharma and Greg is to have the return of a light intelligent laughter. Immediately in the first episode, you get to know each of the main characters and its characteristics.

In the centre there’s Dharma, a hippie “peace and love” couple’s daughter. Then comes Greg, a rich father and mother’s attorney son. Then Greg sees Dharma and Dharma sees Greg. They feel attraction immediately. In that same day, they get married and later get separated. But what Dharma and Greg have is a true thing. Although they came from completely different backgrounds, their relationship is here to stay.

Dharma and Greg lasted 5 seasons, from 1997 to 2002. It had an odd turn to it, when Greg and Dharma seem to change personalities. Greg changes so, that he becomes a vagabond and even gets to a begging situation. It’s a very weird turn! But all and that, this sitcom is has sweet has a candy.

So, what’s your favourite character? Mine is Kitty. She’s delightful!
publicado por TV Mania às 21:21
Segunda-feira, 31 / 12 / 07

Golden Girls/Sarilhos com Elas


Quatro mulheres com rugas no rosto, evidenciando terem acima de 50 anos de idade. Quem diria que teria tanto sucesso?

Golden Girls é uma sitcom criada em 1985 que durou 7 décadas. Visou assuntos interessantes e ás tantas controversos, a começar pela sua sipnose: Quatro mulheres idosas, separadas ou viúvas, que vivem juntas num apartamento de luxo e são sexualmente activas.

Blanche é a mais namoradeira de todas. Lança-se em aventuras românticas quase a cada episódio, tendo um comportamento muito assumido e ás claras. Dorothy foi casada por 38 anos e enganada pelo marido um sem número de vezes, até este a deixar por uma jovem hospedeira de voo. Vive agora também com a sua mãe, Sofia, que está sempre a relembrar episódios passados na sua terra natal em Sicília, Itália. O quarto elemento é Rose. Criada num orfanato em St. Olafs, uma pequena povoação rural e adoptada por uma família numerosa, as suas histórias são sempre longas, tristes, maçantes e extraordinariamente sem nexo. O que gera muitos momentos de riso. Ela é também um tanto esquecida e vive com o trauma de ter perdido o marido de ataque cardíaco na cama, enquanto faziam amor.

É graça há riqueza destas personagens e a um guião muito bem escrito, que as quatro amigas discutiam os seus problemas e partilhavam a sua amizade, época após época, sentadas na cozinha, a beber café, chá e a comer biscoitos e bolos. Tal como se passa na realidade, a cozinha das Golden Girls (mulheres na fase dourada da vida) era o centro de todos os assuntos importantes.

A série ganhou 11 Emmys e 4 Globos de Ouro. Todas as protagonistas receberam um Emmy, feito somente alcançado anteriormente por All in the Family (Tudo em família) e posteriormente por Will and Grace.

Penso que é uma sitcom com uma pitada de intemporalidade. Estou pronta para a rever a qualquer altura. Seja eu como fui então uma jovem de pouco mais de uma dúzia de anos, ou esteja já nos meus Golden Years.

English Version:



Four women with wrinkled faces, showing they’re over 50. Who would say it was going to be a huge hit?

Golden Girls is a 1985 sitcom that run for 7 seasons. It showed interesting and sometimes controversial issues, starting with it’s synopses: four elderly women, some divorced others widows, live together in a luxurious apartment and are sexually active.

Blanche is the flirtatious one. She has a romantic adventure almost every episode. She assumes it and makes no effort to hide it. Dorothy was married for 38 years with a husband that cheated on her frequently until he finally lefts her for a young flight attendant. Now she lives again with her mother, Sophia, who is constantly starting a Sicilian story (her Italian roots) with the phrase: Picture this… The fourth element is Rose. Raised on an orphanage in St. Olaf, a small agriculture community, and lather adopted by a large bizarre family. She’s an widow, who has lots of suns and grandsons. She lives with the traumatic experience of seeing her husband die wile they were making love.

Thanks to this charming characters and a well written script, this four friends chairing their friendship with the audience, were able to discuss their problems in the kitchen table for 7 seasons, over some coffee or some tea with cake.

The series won 11 Emmys and 4 Golden Globes. Each of the main actresses won an Emmy. A feature only preceded by All in the family and lather by Will and Grace.

I believe this to be a good sitcom to watch, indifferently of how many years go by. I’m ready to re-seen it, in spite of being no longer in my something dozen years old. I imagine it will be interesting to see it when my turn to enter my “golden years” arrives.


publicado por TV Mania às 17:38
Quinta-feira, 27 / 12 / 07

Nip-Tuck


Make me Beautiful … lie! (Põe-me bonita… mente!)

Devo dizer que esta é a melhor série televisiva em que coloquei os olhos nos últimos tempos. A expressão está correcta: colocar os olhos, visto que não a sigo religiosamente. Mas quando apanho um episódio!

Há tantas razões para admirar esta série, que não vou conseguir fazer-lhe justiça. Basta porém um detalhe que para mim faz toda a diferença: Nip-Tuk é diferente de tudo o demais!

Se tem o mesmo sucesso que outras produções amplamente publicitadas, como Lost, Prison Break, Desperate House Wifes, não sei. Mas comparar é impossível. Todas estas três mencionadas seguem uma fórmula que já foi vista antes, e Lost e Prison Break até partilham uma fórmula comum. Contudo, Nip-Tuck desprende-se com maior inteligência e inovação.

Desengane-se quem pensa que esta é uma série light, para rir ou para ouvir e ver as esperadas situações que envolvem a cirurgia estética. Não reduzam o conteúdo desta série de televisão ao simples acto da cirurgia estética. Esta é uma série madura, que realmente passa muitas mensagens em simultâneo, sem se esquecer que cada uma das personagens tem vida própria. Aliás, o consultório e as cirurgias desempenham apenas um papel de suporte para um ponto de vista. Cada vez mais a vida pessoal dos dois cirurgiões e suas famílias têm amplamente mais destaque.

Existe complexidade e profundidade em cada personagem criada em Nip-Tuck. Temos o inicialmente frívolo e mulherengo Christian, que está a envelhecer e por consequente a ter menos sucesso com as mulheres. Contudo não se pode definir Christian desta forma simplista. Nenhuma das personagens desta série ficaria bem avaliada se esta avaliação ficar apenas pelas primeiras impressões. Christian, tal como os outros, tem muitas camadas e algo nele é bom e atraente. Só que não é o lado dominante. De Christian o público recebe como primeira impressão o mulherengo que usa sem remorsos os corpos das mulheres. Com o tempo, este homem começa a sentir o vazio da vida fútil e ás tantas ser pai vai acabar por se transformar na sua razão de viver. Só que a paternidade não é fácil… nem para um filho adoptivo, nem para o biológico que afinal já tem em idade adulta. Christian também vai revelar a sua sensibilidade quando Nip-Tuck aborda o tema da pedofilia. Aqui vamos ficar a saber que este rico, famoso, bem-sucedido e desprezível mulherengo é também um rapaz vítima de violação, adoptado e abandonado.

E estou a aflorar superficialmente uma única personagem, deste rico rol que é Nip/Tuck. Avisei que não seria possível fazer juz à riqueza desta série de televisão. Por isso, tudo o que posso aconselhar a quem ainda não a viu, é que vá já a correr ver. Talvez não seja qualquer um que o consiga fazer, já que a série passa longe dos dramas suaves que nos habituamos a ver. NipTuck é dramático. É intenso. É perturbador, profundo e por vezes angustiante. E aprende-se umas lições.

A série conta também com uma contribuição gráfica potente das cirurgias estéticas e de sexo. Confesso que para quem suporta bem ver este tipo de imagens e já viu tantas imagens reais, exibidas em inúmeros documentários onde a pele humana é puxada e repuxada para aqui e para ali, onde se corta, serra, desenha, sangra e se mostra as mais horríveis lesões e pûs, pensei que não teria problemas em ver o mesmo a fingir. Enganei-me. Por alguma razão talentosa, o modo como uma cirurgia decorre nesta série é bastante perturbadora. Já vi a face do rosto humano ser separada da carne sem sentir horror. No entanto, dificilmente consigo estar tão calma e racional ao ver estas cirurgias a fingir (que de fingir não parecem ter nada!). Nip Tuck surpreende muito e certamente, mexe com todos os nossos cinco sentidos.

Se você ainda não viu esta série mas é fã de LA Law e Sopranos, saiba que outros fãs destas séries ficaram viciados também em Nip-Tuck!





English Version:


I must say this is the best television series I’ve put my eyes on in the last half-decade or so. The expression is right: I don’t watch it religiously but when I see it… uauh!

There are so many reasons to admire this show that it’s impossible to me to make it justice. But for me, one thing pops right on and is what makes a difference: Nip-Tuck
is different from everything else.

Maybe (I don’t know) it doesn’t have the same publicity has Lost, Prison Break or Desperate House Wife’s. But it has much more quality. The three last ones follow some time of formula that the audience has already seen somewhere else. Lost and Prison Break actually share one. So it’s not fair even to compare this three with Nip-Tuck. This last one is more intelligent, more renewed and innovated.

There’s a lot of complicity for each one of the series characters. Don’t be fool by imagine that this is a fun comic tv series to watch lightly. Don’t reduce it content to just a simple series that shows plastic surgery being made and beautiful women on the knife and that’s basically it. Actually, that’s nothing to it.

There’s a lot of deepness in each of Nip-Tuck’s characters. For example: there’s Christian, one of the plastic surgeons. He’s a women’s man, that don’t care anything about them. He just likes to enjoy and taste a different woman every day and that is not difficult for him. He starts out as a repulsive kind of men, but as we go on the story, there’s a side of him that in good, but doesn’t domain. That comes out when he as to advice his best friend teenager son. Instead of being always irresponsible and take the young boy to the easy life, Christian many times shows he has some sense of limits. When the series focus on pedophile, we discover that this well successful, good-looking, womanizer flirtatious is also a little abandoned and adopted boy who has been raped.

There are layers and layers to Nip-Tuck drama. This is not a funny light dramatized show. This is not for sensitive or superficial taste. It’s a disturbing, dramatic, deep and sometimes overwhelming anguishing drama. One learns from it.

The series also counts with the contribution of very graphic surgery and sex images. I must confess that, for someone used to watch to real life operations trough documentaries in witch every type of injuries was showed, even the skin of someone face being separated from the flesh, I was not apprehensive at all with whatever fictitious images I could see. I was wrong. Thanks to someone talent for impressive images, Nip-Tuck surgeries are disturbing to watch. There’s no way you’re going under the knife after watching that, if you don’t really nee to, it’s guaranteed! Nip-Tuck disturbs all of your five senses.

If you haven’t seen it yet but you’re a huge fan of Sopranos or LA Law, some fans of this television series became addicted to Nip-Tuck also!



publicado por TV Mania às 21:49
Quinta-feira, 27 / 12 / 07

DR. HOUSE

Nos anos 80 surgiu uma série de muito sucesso que entrou pelos anos 90 a dentro. Já revelarei o nome. Era sobre um homem que, do nada, conseguia resolver os problemas mais complicados de forma surpreendente.

Faz lembrar o Dr. House? Pois faz! Este herói dos anos 80 foi encarnado por Richard Dean Anderson e, tal como House, a série tinha o título da personagem principal: Macgyver.

Há primeira vista, as semelhanças são apenas duas: ambas as personagens são o título da série e ambos são homens que resolvem situações impossíveis. De resto, não podiam ser mais opostos, certo? Um é cientista, o outro médico. Um ia para países estrangeiros, metia-se em guerras no deserto, explodia aviões e era um homem simpático, ágil e de acção. O outro gosta mais é da vida cómoda e fácil: automóvel estacionado o mais próximo possível da porta do trabalho e pessoas a cederem aos seus caprichos. Não é ágil, é arrogante e ofensivo.

Mas as semelhanças entre as duas séries são mais próximas do que parecem. É ingrato falar de uma série que ainda não acabou. Se não acabou, ainda pode sofrer alterações radicais e mudar para melhor ou para pior. Mas como já está no ar há alguns anos, pelo menos sobre esse período de tempo pode-se avaliar a obra.

Então cá vai: Dr. House é essencialmente o título que tem: o doutor House. O restante ambiente criado à sua volta não vale nada. A vida pessoal das personagens secundárias não tem interesse. É pouco desenvolvida. O ambiente no hospital por vezes dá vontade de rir, de tão irreal que parece ser. Centrem-se, se mais nada vos chamar a atenção, na reacção de alguns familiares dos pacientes problemáticos de House. Agora retirem o House dessa história e vejam o que fica.

Nada se aproveita, certo?

Vamos por partes. O primeiro argumento que dei é o pouco desenvolvimento das personagens secundárias. Tomemos o grande amigo de House como exemplo. Wilson (nome certamente inspirado na mais famosa personagem secundária do mundo, cuja função era escutar o doutor Holmes, Sherlock Holmes).

Também ele médico, divorciado não se sabe bem quantas vezes, penso que uma das suas ex-mulheres só foi inserida na história para se envolver com House. Tirando isso, a personagem não existe. Ela vive e respira House. Tal como acontecia em MacGyver. Rever esta série de imenso sucesso hoje, é rir ás gargalhadas desalmadamente. Algumas cenas são bem ruins! O mesmo acontecerá com House, decerto.

O segundo argumento que dou é o ambiente hospitalar ser pouco credível. Pois assim me parece.

Os restantes “médicos” parecem ter como função andar a desfilar de bata branca pelos corredores e dizer frases com palavreado difícil. Por vezes acompanhados de House, apenas para que todas as cenas não se passem sentados num gabinete. Afinal, há que passar a impressão de ambiente hospitalar. Batas brancas e estetoscópio ao pescoço já não chegam para isso.

Outra forma de passar ao espectador a sensação de ambiente hospitalar é mostrar os exames e tratamentos a que os pacientes são submetidos. Aí pode ver-se toda a parafernália médica: as máquinas e agulhas, o sangue. O doente sempre, mas sempre tem uma crise inesperada, após conversar com um dos médicos de House que lhe faz uns exames e diz que está melhor.

Mas a maior crítica que faço nesta perspectiva, é às reacções dos familiares destes pacientes. Ficam sempre muito resignados. Demasiado tranquilos para quem subitamente vê um filho/pai/mãe/esposo/esposa/tio/tia enfim, um ente querido inesperadamente no hospital e escuta pela primeira vez, ou entende pela primeira vez, que este está ás portas da morte. Só um milagre é capaz de impedir a eminente morte. E ao invés de se desesperarem, de arrancarem o coração para fora, a reacção da maioria dos familiares dos pacientes de House, faz-me rir. Rir muito!

Se calhar sou eu que já estou avançada para a idade. Já estou a ver esta série daqui a uma ou duas décadas. Quem sabe?

Nem tudo o que critico em House é pela negativa. De positivo dou-lhe a própria personagem, porque exemplifica o que temos na sociedade de hoje. Na década de 80 talvez fossemos mais activos como o MacGyver. Mas actualmente, o comodismo parece ser a ambição da maioria. O conforto do parque de estacionamento bem perto da porta de casa, ou mesmo em cima do passeio para que se veja melhor da janela. Já poucos andam a pé e de transportes públicos poucos são os que não estão já na terceira idade.

Que House exemplifica um certo cinismo da sociedade, é verdade. Ele também gosta de marcar o seu ponto de vista usando as pessoas como cobaias vivas. Isso é interessante. De resto, gosto do trabalho gráfico de computador, que mostram o que acontece no interior do corpo humano durante uma reacção do organismo. Gosto da música do genérico, principalmente da primeira série, e do genérico em si.

Acabei de lembrar de outro defeito de Dr. House: o uso exagerado de uma “fórmula”. Tal como a série Ally McBeal (mas o que se passa com isto de baptizar uma série de televisão com o nome das personagens?) que teve cada episódio a terminar com um número musical, o Dr. House segue essa mesma estrada. E por falar em marcar um ponto de vista usando a própria experiência de vida da pessoa, em Ally McBeal a personagem de John Case fazia o mesmo. E cá está! Ally MacBeal é outro exemplo de uma série que foi interessante no seu tempo, mas que não tem nada para oferecer hoje. Foi inovadora, cativante, principalmente graças à contribuição gráfica que dava azo aos devaneios da personagem.

MacGyver, Ally McBeal e o Dr. House. O primeiro tem a habilidade, o segundo a loucura, e o terceiro tem tudo isto! Mas tal como MacGyver e AllyMcBeal vistos hoje, acredito que passado igual período de tempo, também os fãs vão rir muito do Dr. House e companhia.



English Version:
In the 80´s there was a television series of great success that lasted into the early 90´s.
It was about a man that, from nothing, was able to solve very serious problems in the most astonishing way.

Does this remind you of Dr. House? Of course! But his name was MacGyver. An athletic, charming, enchanted guy that had the ability of taking himself and others out of dangerous situations.

At first, they don’t seam to have much in common, do they? Only two things: they’re both men able to resolve difficult situations and their character’s name are the tv series title.

But is that all? Let’s see. One is, has it was said, an athletic, charming men, that happened to be a scientist. The other is a doctor, not athletic, not very charming. Is actually rude, selfish and likes nothing better than to have his way. MacGyver had is adventures in the middle of the desert, where airplanes exploded and wars were going on. House stays locked in is apartment most of the time, some of those times he should be at work.

But they’ve have more in common that one realises. Is not fair to criticise a tv series that is not over yet. It still runs, so changes are a possibility that may or not improve the product. But I make my judging through these first four seasons. Here it goes:

Dr. House is essentially that: The doctor House. The rest of the cast is nothing. They personal lives are almost inexistent. They’re not developed. Lets take has an example, Dr. House’s friend, Dr. Wilson (name inspired no doubt, in the most famous secondary character in the world, hum function was to listen to doctor Holmes, Sherlock Holmes). He’s also a doctor that happens to be divorced a certain number of times that we don’t even know. I think that, other than to be involved with House, none of Wilson’s ex or currant wifes had a part on the show. The other characters are very shallow too. They come across has dispensable in the story. Just take House out of the picture and see what you stay up with.

The other criticism I throw into the sitcom is the poor credibility I see in the hospital environment. Apart from going on the corridors showing themselves in white gowns and stethoscopes hugging in by the neck, speaking in doctor’s terms, sometimes in the company of House, there’s nothing interesting going on. Just others strolling around. And I believe this is done only because if they made every scene inside the five doctor’s office, it would look bad. Many times it makes me laugh. Especially in the scenes where we see the patients family reactions.

If nothing else appeals to your attention, center yourselves in that. For people who very suddenly see they love ones (a daughter/sun/father/mother/uncle/etc) in life or death situation, their reaction is almost every time very peacefully. They’re told that only a miracle can save they sun, and in three seconds they are resign. It sounds silly! Actually, is not credible.

Of course, another way to pass that hospital environment feeling to the viewer is to show all the hospital paraphernalia on use. The exams a patient has to make, the needles injections, the blood etc. The patient always, but always has an unexpected crises after having had a normal conversation with the doctor that exams him and says he’s much better.

This tv sitcom makes me laugh. Many times! Maybe it’s me. Maybe I’m already watching this show 10 years from now. And just like MacGyver, I laugh of the bad scenes that look fake but seemed ok back in the 80´s.

I don’t negative criticize everything in Dr. House. I give a positive reinforcement
to the character itself, because it exemplifies a lot of what we have today. People are not that active has MacGyver anymore. Maybe they never were. This days, people seem to ambition nothing more that a live of comfort. Like the car parking space really near to the building entrance, or even on the sidewalk so they can keep a closer look from the sleeping room window. Only extremely poor and old people use the public bus. No one walks to work anymore. People can be in debt more that what they cope with, but no luxury is putted aside. So House exemplifies something that this modern society created. Selfish people that have trouble relating with others. Also, House likes to make a point by using others as there on guineapigs.

Another positive thing about this series is the open titles. The graphic design is nice and the melody is catching, specially the one from season one. I also like the computer graphic contribution to the story, when it shows the interior of the human body reaction to some disease or treatment. That’s great!

But still, one thing almost left my mind, but I have to say it: Lots of times there´s too much of a “formula” to the episode. Just like Ally McBeal (what’s up with character’s names for tv series titles?), that had a musical ending to every single episode, Dr. House goes on also in this road. And speaking of liking to make a point using other people experiences has an example; in Ally McBeal the character John Case did much the same. And so, I’ve just remember another good tv series that only belongs to the seasons it was made: Ally McBeal. Very uninteresting now, but very good to watch back in its days, with a great computer graphic contribution to Ally dreams and illusions. And that it! MacGyver, Ally McBeal, and Dr. House. One had the skills, the other the craziness and the third has it all!

But still, I believe that, just like MacGyver or McBeal watched today, so will tv fans in the future will laugh about Dr. House.

publicado por TV Mania às 00:03
Falar, relembrar, recordar, trocar, encontrar... séries de televisão

mais sobre mim

TROCAS & VENDAS Séries de TV
FANTÁSTICO * Super-Mulher * Espaço 1999 * Batlestar Galactica * Buck Roger no Séc. XXV * Smallville COMÉDIA * Allo-Allo * Black-Adder * Coupling * Uma família às Direitas * Que Família! (Full House) * Quem sai aos Seus (Family Ties) * Parker Lewis Can't Loose * Vida! DRAMA * Eu, Cláudio

últ. recentes

  • oi boa noite. gostaria de saber o preço verdadeiro...
  • oi bom dia . gostaria de saber o preço do robô buk...
  • gostaria muito q essa serie passasse outra vez na ...
  • SImpsons não é a série mais duradora do mundo! É a...
  • Recordo-me muito bem da série, todavia perdeu-se c...
  • É deveras lamentável que uma série de sucesso da d...
  • Uma das minhas preferidas de sempre.Acho que todos...
  • Adoro a Kitty também e em seguida é o Greg.É uma s...

Pergunta e Responda

Pop up my Cbox

arquivos

Outubro 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds