Séries (d)e Televisão

pesquisar

 
Sexta-feira, 14 / 10 / 11

A.L.F. - Uma coisa do outro mundo

No final dos anos 80 surgiu na televisão Portuguesa e por todo o mundo a série de comédia ALF -Uma coisa do outro mundo, sobre um extra-terrestre que vive na Terra. Julgo que estávamos no ano de 1987 quando estreou. Agora está em reposição na RTP Memória e estive a ver alguns episódios. É com surpresa que percebi ser ainda capaz de a ver com verdadeiro deleite. O que me fez pensar: "Mas o que é que a série tem para justificar este sucesso?"

São quase 30 anos que a distanciam daquela época e as falhas são notórias. O enredo é demasiado simplista e previsível, as cenas estão cheias de clichés e nota-se claramente que se trata de um boneco... mas depois temos a personalidade de ALF, que contrasta com tudo isto. Ele é especial pela forma como expõe os pontos-de-vista. É sarcástico, crítico, questiona, opina, é insistente, tem humor! E mostra tudo isto com diversas expressões faciais.

É claramente um grande feito para a arte de manipular marionetas. Sim, porque ALF era uma marioneta, articulada por indivíduos. Só ocasionalmente foi necessário colocar um homem (Mihaly Meszaros) num fato. Queria dizer que grande parte do sucesso da série deve-se à voz que dá vida a ALF, porque é realmente fantástica, mas não é o caso! A série fez sucesso em todo o mundo mas foi dobrada para a língua do país acolhedor quase sempre. Por cá as séries passam no original e colocam-se legendas (sou acérrima defensora desta prática). Por isto sei o quanto a voz original de ALF é fantástica, adequada à sua personalidade. Descobri agora, graças à poderosa "ferramenta" que é o Google, que quem deu voz ao "boneco" foi o produtor da série/criador Paul Fusco. O outro criador da personagem chama-se Daniel DaSilva (nome tão português!).

Imaginava que a voz de "A.L.F." viria de um actor com prática em dar voz a personagens... o que também pode ser o caso, já que o google ainda não nos explica o percurso de vida (CV) de todas as pessoas..., mas eis como se pode estar enganado!

Existe pouca informação sobre a produção da série. Queria saber mais sobre as pessoas que tiveram a ideia mas enfim: nos anos 80 não se tinha internet!

Então a voz não é decerto a razão principal do sucesso da série. A manipulação do boneco sim, mas só do pescoço para cima, já que os braços tinham uma mobilidade pouco realista, ainda mais visível nas mãos. Uma característica comum nas marionetas. Mesmo a boca, claramente de pano, abre e fecha de forma rudimentar. Mas no meio disto tudo, aquilo funciona. Não é a voz que disfarça a simplicidade da boca do boneco e do enredo. É a personalidade de "ALF" que está bem construída. Como extra-terrestre, ALF consegue criticar os hábitos da sociedade de um ponto de vista de quem está de fora. Como se fosse um Alien (emigrante), numa sociedade diferente da sua. Queria mesmo saber mais sobre as pessoas que imaginaram a série!

RESUMO DA HISTÓRIA:
Gordon Shumway vê-se forçado a abandonar o seu planeta Melmac antes deste explodir por causa do mau uso da energia Nuclear. A sua nave espacial sofre uma avaria e cai na garagem dos Tanner, uma família Americana de classe média que acaba por acolher o extra-terrestre, receosos que o governo (os maus da fita) o capture para fazer experiências científicas.

A partir desse momento passa a ser chamado de ALF (Alien Life Force/Vida Extra-Terrestre) e passa também a ser um elemento da família, constituída pelo casal Kate e Willie, os dois filhos, a adolescente Lynn e o menino Bryan e Lucky, o gato de estimação. Ocultar a existência de ALF dos vizinhos e amigos não é fácil mas a maior dificuldade da família Tanner é aprender a lidar com os hábitos e a personalidade sarcástica de ALF, que não se coíbe de entrar em confusões e, como todos os Malmequianos que se prezem, adora comer... gatos! .
publicado por TV Mania às 22:22
Segunda-feira, 18 / 02 / 08

V- A Batalha Final

Foi vista com entusiasmo por milhares de portugueses aquando a sua primeira exibição, em 1985. Esta série de ficção cientifica fez as delícias de quem a seguia religiosamente. Todos queriam ver os lagartos por debaixo dos corpos humanos! Vivia-se para o momento em que a falsa pele era rasgada, denunciando assim a pessoa não-humana.

A série voltou a repetir (1 e 2) no verão de 1987 mas desta vez, as mesmas imagens tiveram um outro sabor. V é uma série fantástica pela forma como cativou a audiência mas, a bem da verdade, a qualidade não é boa. Revê-la dois anos depois foi tomar consciência desse seu lado. “Piroso”e “canastrice” são dois adjectivos que vêm à mente. As interpretações deixam a desejar e o medo que primeiramente existiu na primeira exibição não tinha razão de ser. A história foi apresentada com a qualidade da pior das séries B ou daqueles filmes pirosos que inundam as madrugadas da TVI. Mas se tudo isto faz diferença? Não!

Na lembrança de quem a viu, V continuará a ser um bom momento televisivo, como de facto foi. Mais que não seja, dá para apreciar pelo seu lado canastrão e piroso. Afinal, também sabe bem sentar diante da televisão com um balde de pipocas (adereço alternativo) e usufruir de um muito mau filme, que se pretendeu sério. Na verdade, é até mais divertido!

Na história, os ETs chegam à terra em suposta missão de paz e depressa começam a controlar tudo. Um grupo de rebeldes humanos são a sua única oposição e, aos poucos, conseguem as suas conquistas mas também, as suas derrotas. Só que, perder para um alienígena resulta em assustadoras realidades alternativas: os “lagartos” servem-se de humanos como alimento! Os alienígenas controlam a mente e têm armas e tecnologia muito mais avançada que a humana. A morte por tiro de arma-lazer é até uma bênção, diante das alternativas.

E como não podia deixar de ser, fazem experiências genéticas connosco, inclusive o cruzamento das espécies! Estes extraterrestres com pele de lagarto, têm uma voz esquisita, emitem sons, comunicam entre si por telepatia, usam óculos escuros por sensibilidade à luz e têm hábitos alimentícios repulsivos. Ai, que medo!
.
Veja:


publicado por TV Mania às 18:16
Quinta-feira, 27 / 12 / 07

DR. HOUSE

Nos anos 80 surgiu uma série de muito sucesso que entrou pelos anos 90 a dentro. Já revelarei o nome. Era sobre um homem que, do nada, conseguia resolver os problemas mais complicados de forma surpreendente.

Faz lembrar o Dr. House? Pois faz! Este herói dos anos 80 foi encarnado por Richard Dean Anderson e, tal como House, a série tinha o título da personagem principal: Macgyver.

Há primeira vista, as semelhanças são apenas duas: ambas as personagens são o título da série e ambos são homens que resolvem situações impossíveis. De resto, não podiam ser mais opostos, certo? Um é cientista, o outro médico. Um ia para países estrangeiros, metia-se em guerras no deserto, explodia aviões e era um homem simpático, ágil e de acção. O outro gosta mais é da vida cómoda e fácil: automóvel estacionado o mais próximo possível da porta do trabalho e pessoas a cederem aos seus caprichos. Não é ágil, é arrogante e ofensivo.

Mas as semelhanças entre as duas séries são mais próximas do que parecem. É ingrato falar de uma série que ainda não acabou. Se não acabou, ainda pode sofrer alterações radicais e mudar para melhor ou para pior. Mas como já está no ar há alguns anos, pelo menos sobre esse período de tempo pode-se avaliar a obra.

Então cá vai: Dr. House é essencialmente o título que tem: o doutor House. O restante ambiente criado à sua volta não vale nada. A vida pessoal das personagens secundárias não tem interesse. É pouco desenvolvida. O ambiente no hospital por vezes dá vontade de rir, de tão irreal que parece ser. Centrem-se, se mais nada vos chamar a atenção, na reacção de alguns familiares dos pacientes problemáticos de House. Agora retirem o House dessa história e vejam o que fica.

Nada se aproveita, certo?

Vamos por partes. O primeiro argumento que dei é o pouco desenvolvimento das personagens secundárias. Tomemos o grande amigo de House como exemplo. Wilson (nome certamente inspirado na mais famosa personagem secundária do mundo, cuja função era escutar o doutor Holmes, Sherlock Holmes).

Também ele médico, divorciado não se sabe bem quantas vezes, penso que uma das suas ex-mulheres só foi inserida na história para se envolver com House. Tirando isso, a personagem não existe. Ela vive e respira House. Tal como acontecia em MacGyver. Rever esta série de imenso sucesso hoje, é rir ás gargalhadas desalmadamente. Algumas cenas são bem ruins! O mesmo acontecerá com House, decerto.

O segundo argumento que dou é o ambiente hospitalar ser pouco credível. Pois assim me parece.

Os restantes “médicos” parecem ter como função andar a desfilar de bata branca pelos corredores e dizer frases com palavreado difícil. Por vezes acompanhados de House, apenas para que todas as cenas não se passem sentados num gabinete. Afinal, há que passar a impressão de ambiente hospitalar. Batas brancas e estetoscópio ao pescoço já não chegam para isso.

Outra forma de passar ao espectador a sensação de ambiente hospitalar é mostrar os exames e tratamentos a que os pacientes são submetidos. Aí pode ver-se toda a parafernália médica: as máquinas e agulhas, o sangue. O doente sempre, mas sempre tem uma crise inesperada, após conversar com um dos médicos de House que lhe faz uns exames e diz que está melhor.

Mas a maior crítica que faço nesta perspectiva, é às reacções dos familiares destes pacientes. Ficam sempre muito resignados. Demasiado tranquilos para quem subitamente vê um filho/pai/mãe/esposo/esposa/tio/tia enfim, um ente querido inesperadamente no hospital e escuta pela primeira vez, ou entende pela primeira vez, que este está ás portas da morte. Só um milagre é capaz de impedir a eminente morte. E ao invés de se desesperarem, de arrancarem o coração para fora, a reacção da maioria dos familiares dos pacientes de House, faz-me rir. Rir muito!

Se calhar sou eu que já estou avançada para a idade. Já estou a ver esta série daqui a uma ou duas décadas. Quem sabe?

Nem tudo o que critico em House é pela negativa. De positivo dou-lhe a própria personagem, porque exemplifica o que temos na sociedade de hoje. Na década de 80 talvez fossemos mais activos como o MacGyver. Mas actualmente, o comodismo parece ser a ambição da maioria. O conforto do parque de estacionamento bem perto da porta de casa, ou mesmo em cima do passeio para que se veja melhor da janela. Já poucos andam a pé e de transportes públicos poucos são os que não estão já na terceira idade.

Que House exemplifica um certo cinismo da sociedade, é verdade. Ele também gosta de marcar o seu ponto de vista usando as pessoas como cobaias vivas. Isso é interessante. De resto, gosto do trabalho gráfico de computador, que mostram o que acontece no interior do corpo humano durante uma reacção do organismo. Gosto da música do genérico, principalmente da primeira série, e do genérico em si.

Acabei de lembrar de outro defeito de Dr. House: o uso exagerado de uma “fórmula”. Tal como a série Ally McBeal (mas o que se passa com isto de baptizar uma série de televisão com o nome das personagens?) que teve cada episódio a terminar com um número musical, o Dr. House segue essa mesma estrada. E por falar em marcar um ponto de vista usando a própria experiência de vida da pessoa, em Ally McBeal a personagem de John Case fazia o mesmo. E cá está! Ally MacBeal é outro exemplo de uma série que foi interessante no seu tempo, mas que não tem nada para oferecer hoje. Foi inovadora, cativante, principalmente graças à contribuição gráfica que dava azo aos devaneios da personagem.

MacGyver, Ally McBeal e o Dr. House. O primeiro tem a habilidade, o segundo a loucura, e o terceiro tem tudo isto! Mas tal como MacGyver e AllyMcBeal vistos hoje, acredito que passado igual período de tempo, também os fãs vão rir muito do Dr. House e companhia.



English Version:
In the 80´s there was a television series of great success that lasted into the early 90´s.
It was about a man that, from nothing, was able to solve very serious problems in the most astonishing way.

Does this remind you of Dr. House? Of course! But his name was MacGyver. An athletic, charming, enchanted guy that had the ability of taking himself and others out of dangerous situations.

At first, they don’t seam to have much in common, do they? Only two things: they’re both men able to resolve difficult situations and their character’s name are the tv series title.

But is that all? Let’s see. One is, has it was said, an athletic, charming men, that happened to be a scientist. The other is a doctor, not athletic, not very charming. Is actually rude, selfish and likes nothing better than to have his way. MacGyver had is adventures in the middle of the desert, where airplanes exploded and wars were going on. House stays locked in is apartment most of the time, some of those times he should be at work.

But they’ve have more in common that one realises. Is not fair to criticise a tv series that is not over yet. It still runs, so changes are a possibility that may or not improve the product. But I make my judging through these first four seasons. Here it goes:

Dr. House is essentially that: The doctor House. The rest of the cast is nothing. They personal lives are almost inexistent. They’re not developed. Lets take has an example, Dr. House’s friend, Dr. Wilson (name inspired no doubt, in the most famous secondary character in the world, hum function was to listen to doctor Holmes, Sherlock Holmes). He’s also a doctor that happens to be divorced a certain number of times that we don’t even know. I think that, other than to be involved with House, none of Wilson’s ex or currant wifes had a part on the show. The other characters are very shallow too. They come across has dispensable in the story. Just take House out of the picture and see what you stay up with.

The other criticism I throw into the sitcom is the poor credibility I see in the hospital environment. Apart from going on the corridors showing themselves in white gowns and stethoscopes hugging in by the neck, speaking in doctor’s terms, sometimes in the company of House, there’s nothing interesting going on. Just others strolling around. And I believe this is done only because if they made every scene inside the five doctor’s office, it would look bad. Many times it makes me laugh. Especially in the scenes where we see the patients family reactions.

If nothing else appeals to your attention, center yourselves in that. For people who very suddenly see they love ones (a daughter/sun/father/mother/uncle/etc) in life or death situation, their reaction is almost every time very peacefully. They’re told that only a miracle can save they sun, and in three seconds they are resign. It sounds silly! Actually, is not credible.

Of course, another way to pass that hospital environment feeling to the viewer is to show all the hospital paraphernalia on use. The exams a patient has to make, the needles injections, the blood etc. The patient always, but always has an unexpected crises after having had a normal conversation with the doctor that exams him and says he’s much better.

This tv sitcom makes me laugh. Many times! Maybe it’s me. Maybe I’m already watching this show 10 years from now. And just like MacGyver, I laugh of the bad scenes that look fake but seemed ok back in the 80´s.

I don’t negative criticize everything in Dr. House. I give a positive reinforcement
to the character itself, because it exemplifies a lot of what we have today. People are not that active has MacGyver anymore. Maybe they never were. This days, people seem to ambition nothing more that a live of comfort. Like the car parking space really near to the building entrance, or even on the sidewalk so they can keep a closer look from the sleeping room window. Only extremely poor and old people use the public bus. No one walks to work anymore. People can be in debt more that what they cope with, but no luxury is putted aside. So House exemplifies something that this modern society created. Selfish people that have trouble relating with others. Also, House likes to make a point by using others as there on guineapigs.

Another positive thing about this series is the open titles. The graphic design is nice and the melody is catching, specially the one from season one. I also like the computer graphic contribution to the story, when it shows the interior of the human body reaction to some disease or treatment. That’s great!

But still, one thing almost left my mind, but I have to say it: Lots of times there´s too much of a “formula” to the episode. Just like Ally McBeal (what’s up with character’s names for tv series titles?), that had a musical ending to every single episode, Dr. House goes on also in this road. And speaking of liking to make a point using other people experiences has an example; in Ally McBeal the character John Case did much the same. And so, I’ve just remember another good tv series that only belongs to the seasons it was made: Ally McBeal. Very uninteresting now, but very good to watch back in its days, with a great computer graphic contribution to Ally dreams and illusions. And that it! MacGyver, Ally McBeal, and Dr. House. One had the skills, the other the craziness and the third has it all!

But still, I believe that, just like MacGyver or McBeal watched today, so will tv fans in the future will laugh about Dr. House.

publicado por TV Mania às 00:03
Domingo, 23 / 12 / 07

FRASIER - the best?



Todos os episódios de Frasier terminavam assim: “Frasier has left the building!” . Traduzido, tem o seguinte sentido: “Frasier foi embora”. Mas não. Frasier não ia embora assim tão depressa.

A sitcom esteve no ar por 11 anos. E que anos! Um guião sagaz, inteligente, longe do humor fácil com que a maioria das séries de TV faziam sucesso. O público envolto nas peripécias profissionais e familiares de Frasier, aderiu à série com apetite de voyeur.

Quase nem dava para lembrar que a personagem Frasier Crane, psiquiatra, vinha de outra série de sucesso, Cheers –Aquele Bar, que terminou exactamente na estreia de Frasier: 1993. Não que o facto tivesse esquecido. Longe disso. A situação até foi encarada com nostalgia nos episódios em que se fez referência à vida de Frasier em Boston. Mas os autores simplesmente tornaram a nova vida de Frasier mais interessante.

Ressuscitaram” o seu pai, mas “mataram-lhe” a mãe e alteraram a profissão e o carácter dessas personagens. Afinal, o pai de Frasier é um polícia reformado. A mãe faleceu e era uma santa pessoa (e não a mãe possessiva que ameaça matar Diane por namorar o seu filho em Cheers) e o máximo dos máximos, Frasier tem um irmão, Niles, também psiquiatra.

E assim está lançada a história de três homens (sem um bebé) e suas peripécias com as mulheres. Temos Ross, a produtora de rádio que trabalha com Frasier, uma mulher que adora homens e que tem uma cultura geral que Frasier e Niles desconsideram. Daphne, a empregada doméstica/fisioterapeuta que encanta Niles, as constantes conquistas de Frasier e de seu pai Martin e finalmente Lilith e Maris, uma a ex-esposa de Frasier, outra a sua cunhada.

Maris é uma personagem fascinante, que existe apenas nas falas, reacções e descrições das personagens (http://br.youtube.com/watch?v=M1dZHjfg13Y). Lilith já era conhecida de Cheers, e é igualmente uma mulher fascinante, intelectualmente mais sagaz que Frasier, o que o enlouquece. O filho de ambos vive com a mãe e faz poucas aparições na série. Contudo, aparece e surge interessante, ao revelar-se sagaz o suficiente para enganar ambos os pais para conseguir uma minimoto de presente. O irmão Niles é a personagem que mais me fascinou. As suas neuroses e a sua paixão por Daphne são hilariantes. E transforma-se numa pessoa interessante quando começa a psico-analisar Frasier e se revela mais astuto, perspicaz e maturo que o irmão.

Esta talvez seja a melhor comédia de sitcom de todos os tempos. Se é que se pode eleger uma. Sem dúvida que merece essa distinção, por apresentar o guião inteligente que se inovou e renovou por 11 anos. Também Cheers durou 11 anos. Senfield 9 e outras também estiveram aí para durar. Mas nenhuma, nem mesmo Cheers dos mesmos criadores, recorreu menos à “fórmula” e obteve o mesmo sucesso.

PREMIAÇõES: 37 estátuas Emmys
TRIVIA: Eddie, na realidade Moose, o cão da raça Jack Terrier, fez as primeiras 8 temporadas da série, sendo depois substituído pelo seu filho Enzo. Faleceu em Junho de 2006 com 16 anos.



English Translation:
Every episode of Frasier ended this way: “Frasier has left the building!”. Translated, it means “Frasier is gone”! But Frasier would not go away that quickly.

It stayed on air for 11 years. And what great years! A funny intelligent script, far away from the easy humor that gave success to other shows at the time. The public glued to Frasier with a voyeur appetite.

You can’t almost remember that Frasier was a cross-over character from Cheers, another great sitcom that came to an end in the year of Frasier’s coming: 1993. Although the audience knew him has the Boston bar client, the new family and professional oriented story of Frasier was much better to watch.

His father Martin was brought to life as a former police officer, now retired. Frasier mom had died and her character changed to a sweet understanding and loving woman, instead of the jealous mom that threatened Diane life for dating her son in Cheers. And the best of all, Frasier has a brother: Niles, also a psychologist.

And so, the story is lunched. Three men (with no baby) and their life with the women. There’s Ross, Frasier´s radio producer whose love for men and general culture kind of repulse both Frasier and Niles´s extreme moral sensibility. There’s Daphne, the house made/physiotherapist that enchants Niles, the constant Frasier and his dad conquests and finally Lilith and Maris, respectively Frasier’s ex-wife and sister-in-law. Maris is a fascinating character, as is Lilith (http://br.youtube.com/watch?v=6gJjhqrsW78). The first woman is never seen(http://br.youtube.com/watch?v=M1dZHjfg13Y). She exists only in the characters reactions and words. Lilith is an interesting character more so when she intellectually confronts Frasier and clearly comes out as the winner. And then there’s their son. He doesn’t appear much in the series, but when he does, is worth it. The boy proves whose blod runs on his veins when he intellectually deceives both parents into almost buying him a motor bike. The brother Niles is my favorite character. His affected manners, and delirious passion for Daphne are hilarious. But his annulling as an individual with Maris and the maturity and intellectual superiority when he psychoanalyzes his brother, makes him a full individual.

This is probably the best comedy sitcom ever. It certainly deserves this distintion. It presented a hilarious rich script, that cleverly renew it self during 11 years. Other sitcoms that whore around also achieved success and longevity but none was less close to “a formula” and got the same success as Frasier.


Winner of 37 emmys
Trivia: The dog Eddie, actually named Moose made the first 8 seasons of Frasier and then was substitute by his son, Enzo. Moose died in June of 2006 with 16 years.

Some Links/Alguns links para relembrar esta excelente série:
1)- http://br.youtube.com/watch?v=13W48C5tAT8
2)-http://br.youtube.com/watch?v=v-VuPbXE_bI - bloopers - erros
3)- http://br.youtube.com/watch?v=YhJWj9dTEeI -Niles puts botox on his forhead
4)- http://br.youtube.com/watch?v=bUz8ljkPIY4 - Niles and Daphne and the trip with Ross and Donny
publicado por TV Mania às 00:25
Sexta-feira, 21 / 12 / 07

QUEM SAI AOS SEUS/Family Ties

Sit UBU, sit! Good dog!

(Woof!)
Pâ, pâ, pâ, pâ, pâpâ, pâ-ráá´...!


Era assim que terminava a exibição de cada episódio da série "Quem Sai aos Seus". Era a parte final mas fazia as delícias dos miúdos, que a aguardavam para cantarolar a curiosa melodia da produtora e ver aparecer a imagem do cão.

QUEM SAI AOS SEUS (Family Ties no original) é capaz de ser a série mais longamente emitida em Portugal. Quando deixava de ser exibida num canal, logo passava para outro e, deste modo, entrou no novo milénio sem que a emissão fosse interrompida.

A sua última exibição foi no canal SIC Gold. Começou por ser emitida na RTP2 na década de 80 e nos EUA, de onde a série é natural, foi exibida entre 1982 a 1989. Não é por isso, das séries mais duradouras alguma vez feitas nessa fértil década que foi os anos 80, mas atingiu uma maturidade que se diria que esteve mais que os seus 7 anos no ar. Teve várias participações especiais de actores que vieram a fazer muito sucesso no cinema: Courteney Cox, Geena Davis, Tom Hanks e River Fhoenix. por exemplo.

Traduzido à letra, o título Family Ties quer dizer "Laços Familiares" ou "Laços de Família". Embora o sentido não se tenha perdido na tradução portuguesa do título (Quem Sai aos Seus - não degenera) surpreende-me quase sempre a escolha tradutória para português no Brasil: "Caras e Caretas" - foi o título escolhido. Será que é porque, como é natural em sitcoms cómicas, existem muitas expressões faciais, ou quem decidiu o título era fã incondicional das caretas de Michael J. Fox no papel de Alex?

A história centra-se basicamente numa família. Um casal, três filhos, uns na adolescência outros quase a entrar nela. Focam-se questões diárias que fazem parte da vida de qualquer pessoa. A escola e as amizades no caso dos adolescentes, a família e o emprego no caso dos adultos, e por aí fora. Mas "Quem Sai Aos Seus" foi uma série bastante inovadora. Ela mostra uma família que, apesar da "generation gap" (brechas entre gerações, digamos) consegue comunicar. E este é o seu maior trunfo, o que fez com que todos se colassem ao ecrán para a assistir. A família discutia e desentendia-se e passavam pelo mesmo tipo de problemas que todas passam. Mas acabava sempre tudo bem, através do diálogo e da comunicação.

Eis a razão de gostar tanto desta série. Durante muito tempo não sabia nem pensava o que podia esta possuir para gostar de a ver mas, com o tempo, fui percebendo.

Em jovem adolescente a parte mais agradável do meu dia era ver sitcoms. "Quem Sai Aos Seus" fez parte de um rol delas, que passavam num canal parabólico em séries de quatro, o que me facultava duas horas de pura risada diária. Sim, não tinha legendas! O que só aperfeiçoou a minha percepção da língua inglesa.

Tive oportunidade de viver em Inglaterra em duas ocasiões diferentes. E agora me lembrei que, não sei porquê, em ambas as ocasiões tive pessoas a me perguntar onde é que tinha aprendido a falar a língua, pois a falava bem mas, num estilo "americano".

Ora bem! É por esta razão e também por outras, que defendo a exibição de séries e filmes legendados. No Brasil tudo é dobrado (ou dublado, como dizem). Em Portugal todos os filmes exibidos na televisão e também os vendidos em DVD estão na sua versão original, apenas legendados para português. Até pouco tempo, o mesmo se sucedia com os documentários. Mas com a chegada da TV por cabo e dos canais documentais, estes passaram a ter tradução portuguesa. Uma pessoa habitua-se mas, é preciso ter cuidado, para não se perder o contacto com as línguas originais. Nada melhor do que deixar os nossos sentidos serem conduzidos pela sonoridade que originalmente decidiram atribuir a uma obra!

Mas desengane-se quem pensa que isto basta para aprender um pouco melhor uma língua estrangeira. É claro que ajuda. Não sei falar quase nada em Francês e o facto de passarem menos filmes franceses na televisão não é coincidência. Mas aprender na escola, bem ou mal, ajuda. Porque além de perceber, há que falar, ler e escrever! Digamos que as duas experiências se complementam.

Voltando a "Quem Sai aos Seus", o seu "trunfo" é, sem dúvida, mostrar uma família em comunicação. A série facultou uma nova percepção de família, mostrou outras formas de agir. Os pais "Elyse e Steven Keaton" não eram pais rígidos e opressores, que impunham o seu pensar aos filhos e exigiam obediência total. Por seu lado, ás vezes eram os filhos que se sentiam incomodados pelas demonstrações de afecto dos pais e pelo seu sentido cívico. Porém, não deixavam de ser miúdos em crescimento, com os problemas comuns e as traquinices habituais. Esta era uma família normal, mas que povoava pouco o ecrán. Para uma sociedade de desenvolvimento industrial rápido, mas com as suas raízes na pobreza extrema e na dificuldade de comunicação entre filhos e pais, como é a sociedade portuguesa, a série pode ter contribuido para formar, indirectamente, a maneira de ser da geração que se seguiria na idade adulta.



publicado por TV Mania às 20:36
Falar, relembrar, recordar, trocar, encontrar... séries de televisão

mais sobre mim

TROCAS & VENDAS Séries de TV
FANTÁSTICO * Super-Mulher * Espaço 1999 * Batlestar Galactica * Buck Roger no Séc. XXV * Smallville COMÉDIA * Allo-Allo * Black-Adder * Coupling * Uma família às Direitas * Que Família! (Full House) * Quem sai aos Seus (Family Ties) * Parker Lewis Can't Loose * Vida! DRAMA * Eu, Cláudio

últ. recentes

  • oi boa noite. gostaria de saber o preço verdadeiro...
  • oi bom dia . gostaria de saber o preço do robô buk...
  • gostaria muito q essa serie passasse outra vez na ...
  • SImpsons não é a série mais duradora do mundo! É a...
  • Recordo-me muito bem da série, todavia perdeu-se c...
  • É deveras lamentável que uma série de sucesso da d...
  • Uma das minhas preferidas de sempre.Acho que todos...
  • Adoro a Kitty também e em seguida é o Greg.É uma s...

Pergunta e Responda

Pop up my Cbox

arquivos

Outubro 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds